10.3.14

A tirania das mulheres "perfeitas": não perca sua personalidade para "prender" seu amado

Nicole Kidmann no filme Mulheres Perfeitas
 Imagem: Pinterest

No mês que se comemora o Dia Internacional da Mulher, infelizmente muitas de nós medem sua felicidade em ter um namorado, companheiro ou marido um pouco mais tarde e filhos quando todas as amigas os tem. Não coloquei aqui as mulheres que tem uma orientaçao homoafetiva, pois de fato não sei se também é assim com meninas que gostam de meninas (tomara que não).
Mas as mulheres que tem relacionamentos com homens, estas sim, vivem competindo umas com a outras.
Muita gente bacana passa por estas inseguranças quando solteira, eu mesma tive uma fase bem insegura antes de casar: passei meu aniversário de 30 anos sem namorado e me questionava se iria casar um dia (eu sempre gostei da ideia de casar com um grande amor).
Pois bem, casei aos 32 anos, adoro a vida de casada, mas acredite, a competição entre mulheres continua. Há as mulheres "super perfeitas"que infelizmente que vivem tentando sacudir nossa autoestima para derrubá-la. 
E, infelizmente, certos pensamentos pré concebidos do que é ser uma boa mulher/esposa/mãe, são difundidos por aí tal qual receita de bolo, onde algo muito relevante é esquecido: cada pessoa é única e o que pode ser perfeito para alguém pode ser um pesadelo para outras.
Estes dias li um post num blog que gosto muito, cuja dona é uma fofa, sobre uma palestra de uma "aconselhadora de casais" que ela assistiu, chamada "Aprenda a ser uma esposa irresistível!" 
Cada um acredita no que bem entende e faz o que acha certo para sua vida, não critico a blogueira que gostou da palestra, mas como psicóloga não poderia deixar de me assustar com determinados conselhos em pleno 2014. O conteúdo deu até medo, pois como a palestrante diz coisas muito questionáveis como:
"Uma parceira sexual fabulosa costuma gerar um marido afetuoso." = a mulher precisa estar sempre pronta para o sexo, mesmo estando cansada de cuidar sozinha da casa e 3 crianças, para barganhar afeto do cara

"Uma esposa companheira, amiga, presente, tem um marido conversador, a relação tem mais cumplicidade." = homem não deve ser cúmplice por simplesmente amar sua mulher - ela tem que se esforçar para conseguir isto

"Uma esposa atraente pode ter como consequência um marido mais honesto." = a mulher tem que ser atraente sempre para ele ser mas honesto (????!!!!!) - tipo se você for bonita não será traída?

"Uma esposa que cuida de sua casa, tem um marido mais animado, mais determinado a dar uma vida melhor para a família." = mesmo uma mulher que é dona de casa trabalha muito (às vezes muito mais até do quem tem atividade remunerada, pois é um serviço que nunca acaba, que não tem férias ou folga), mas o coitado do marido, como trabalha o dia todo não pode fazer o jantar (pois nós mulheres ficamos deitadas em uma banheira e depois somos massageadas todos os dias, abanadas por criados, sem preocupação ou tarefa alguma)

"Uma esposa que admira o marido, pode gerar um marido mais comprometido com a família e com ela própria!" = e que tal se os dois se admirassem mutuamente?

E o marido??? Não faz nada? Ele é uma espécie de rei? Ou de tirano?

No discurso da tal orientadora familiar, que não sei se tem formação reconhecida no Brasil, a responsabilidade do casamento ser feliz é totalmente da mulher, desde que o homem sustente a casa. Seria um flashback de mau gosto da década de 50?
Me lembrei imediatamente do filme Mulheres Perfeitas (Stepford Wives), com Nicole Kidmann e fiquei pensando o quanto de realidade tem na ficção. O filme é de 2004, baseado em um livro de Ira Levin, cuja sinopse você pode ver aqui, que conta a história de Joanna (Nicole Kidman), uma executiva bem sucedida que sofre um colapso nervoso e é levada, junto com os seus dois filhos, pelo seu marido (Matthew Broderick) para uma cidade do interior chamada Stepford, onde começa a notar uma estranha coincidência: todas as  mulheres parecem esposas "perfeitas".
Só que as esposas "perfeitas" eram, na verdade, robôs, pelas quais as "esposas imperfeitas" (ou seja, reais) foram substituídas: um misto de exímia dona de casa que faz faxina de salto alto e cabelo impecável, só fala o que seu homem quer ouvir e sempre dispostas sexualmente.
São aquelas "amigas" ou simplesmente conhecidas que falam pras solteiras da turma: "vida de casada é muito melhor, vocês vão ver quando acharem o cara certo", ou pior: "você ainda está solteira (pra amiga que já passou dos 30), ah, mas logo vc arranja alguém e quando vê já está casada há 10 anos e cheia de filhos... Você ainda vai ser muito feliz!" Ainda?! A pessoa não pode ser feliz solteira?
Acha que melhora depois que você  "finalmente" casa? Não, aí vem a sutil pressão sobre o porquê você ainda não tem filhos, invariavelmente arrematada pela frase: "você só vai saber o que é o amor quando for mãe", como se ser mãe desse um upgrade imediato para aquela pessoa que engravidou e pariu ser mais especial que você.
Fico pensando em quantas mães não se "tornaram pessoas melhores" por causa da maternidade... E será que Madre Tereza de Calcutá não sabia o que era o amor porque não teve filhos?
Ou aquelas que conta para as amigas com filhos já casadas sua "história de sucesso" de mulher que é esposa, mãe, trabalha fora, faz pós, cuida de toda casa sozinha e ainda malha 6:30 da manhã antes de deixar as crianças no colégio. Crianças as quais teve de parto normal, sem analgesia, amamentou até 1 ano e meio e que faz questão de alimentar com alimentos que ela mesma prepara, com ingredientes orgânicos comprados por ela (mesmo que a realidade não seja exatamente assim).
"Poxa, ela é a super mulher", você pensa... "Ela é perfeita e eu nunca vou conseguir ser assim tão incrível.." "Esta mulher realmente faz tudo isso, de salto e maquiagem das 6:00 à meia-noite?"
Não acho que uma mulher casada ou mãe seja melhor do que as que, por circunstâncias da vida ou por opção, não casaram nem tiveram filhos.
Cada pessoa tem sua história, mas me perdoem, ninguém vira santa porque se tornou esposa ou mãe.
Então, garota moderna que ainda está solteira e/ou não tem filhos, não se deixe intimidar pela tirania das "mulheres perfeitas".
Muitas vezes elas secretamente invejam sua vida despreocupada e livre.
Cada pessoa tem seu tempo e se o casamento e maternidade realmente fossem a "única forma de felicidade", não teríamos mães e esposas assassinas, os Nardoni não teriam feito o que fizeram.
Se você não for feliz por VOCÊ e com você: não será marido nem filho que irão tapar o buraco. Seja feliz com o que você tem e pense: mesmo sem você ser mãe ou esposa você SABE o que é o AMOR verdadeiro.
Repito aqui a pergunta: Será que Madre Tereza de Calcutá não sabia o que era o amor porque não casou nem teve filhos? 

post original do GM de 2012, reformulado e publicado em nova versão 

32 comentários:

  1. Shirley, sensacional o seu post. As pessoas de maneira geral (inclusive eu já pensei assim) acham que a felicidade se resume a estar com alguém que te faça feliz, mas quando vc termina um relacionamento longo (noivado, casamento) e se recupera, você percebe que não precisa de outra pessoa para ser feliz, mas que felicidade é algo que vem de dentro. Você deve buscar ser feliz e não esperar que outros tragam a felicidade para você. Fui noiva por 6 anos e nos últimos anos de noivado não estava feliz como me sinto agora, solteira aos 30 anos. Se algumas vezes me sinto só? claro que sim...Se me sinto assim todos os dias? É claro que não...Se desejo um dia casar e ter filhos? Desejo sim...Se serei infeliz se isso não se realizar? Não condicionarei minha felicidade a algo que não pude realizar, mas sim a todas as outras coisas que posso conquistar...
    Shirley, parabéns pelo seu post...Sempre abordando questões que nos fazem refletir
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li,

      Muito legal sua história e sua coragem... Não dá mesmo pra condicionar a nossa felicidade a algo que não pudemos realizar, mas sim a todas as outras coisas que podemos conquistar, como vc sabiamente escreveu...

      beijos!!!

      Excluir
  2. Maravilhoso esse texto e , principalmente a reflexão que ele propõe.
    Não tem o que por e nem tirar, perfeito!

    Parabéns pelas palavras super bem colocadas Shirley.
    Acredito que a Felicidade mora dentro de nós, e não no que temos ou
    o que deixamos de ter. Pessoas são diferentes e tem momentos e histórias
    diferentes. Cada um tem que buscar a felicidade à sua maneira.

    Beijo grande ;* Pri!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pri,

      Vc sempre acertando no alvo: "a Felicidade mora dentro de nós, e não no que temos ou o que deixamos de ter"... Exatamente!!!!!
      beijos, amada!

      Excluir
  3. Concordo plenamente.
    Molduras sociais muitas vezes impelem as pessoas a seguir o fluxo "natural"? da vida. Casar, ter filhos... e acredito que isto não é o ideal para todo mundo.
    Importante o autoconhecimento para que cada um faça suas escolhas de maneira consciente.
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alê,

      O seu termo "molduras sociais" casou perfeitamente com o que desejava dizer no meu post: não somos todos iguais, não há uma única maneira "certa" de ser feliz!

      beijos

      Excluir
  4. Sensacional, Shirley! Sou solteira, sem filhos, e aos 47 anos me sinto com 30! Sou muito feliz e sempre pensei exatamente como está na tua crônica, por assim dizer. Fiquei mais feliz por esse pensamento ter se cristalizado em palavras. Um bjo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcia,
      Que bacana saber da sua história!
      Exatamente o que disse: casamento e maternidade não são a única forma de uma mulher se realizar!
      beijos

      Excluir
  5. Nossa, super pertinente o post!!!
    Por sinal, vale citar que as tais mulheres perfeitas eram robôs, por isso davam conta de fazer tudo com tanto esmero e sem reclamar!!!
    Estou com 32 anos e solteira. Não tenho filhos, não sei se vou ter.
    Comprei um apartamento, estou indo morar sozinha. Trabalho como todo ser normal, tenho minha religião, curto meus amigos, meus sobrinhos, minha família...
    Mas as cobranças são muitas e pesadas. Principalmente da minha mãe, que acha um ABSURRRRDO mulher morar sozinha (só deveria sair da casa dos pais para casar), morar fora então... outro tormento!
    Acredito que eu não estou sozinha nesse barco, mas com certeza vale a pena seguir feliz nas nossas escolhas, mesmo que elas pareçam "erradas" para os outros, do que tentar se enquadrar em um perfil "perfeito" e amargar uma infelicidade eterna...
    Adorei o tema e sou grande defensora das solteiras, livres e felizes hehehe
    Beijo
    Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol,
      Não citei que as mulheres do filme eram robôs pra não estragar a história pra quem não viu o filme.;)
      O problema é exatamente este, a sociedade ainda cobra, especialmente das mulheres, determinados comportamentos como se todas as pessoas fossem iguais e a "formula da felicidade" existisse...
      eijos

      Excluir
  6. Sinceramente, estava com saudades destas cronicas que vc faz é eles que dão aquele toque especial ao blog..Adoro posts como estes que nos fazem refletir em meio as coisas da moda, a maquiagem vem o toque de vida real que nem tudo são flores mas que podemos seguir adiante.. Amei de paixão..Tbm to em um dilema assim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. G. Marian,
      Que bacana que vc gosta, muitas vezes me pergunto se vcs leitoras gostam deste tipo de post ou se ele é nada a ver...
      beijos e obrigada pelo apoio!

      Excluir
  7. Fui casada por 11 anos e agora, com 32 me separei.
    Sinto vários olhares pra mim do tipo: agora sua vida acabou. E é terrível pq muitas vezes me sinto assim, tipo quem vai querer ficar com uma balzaca separada?

    Como já fui casada sei que casamento não é fácil. A gente vive na mesma casa mas parece que não conhece mais a pessoa. Conheço vários casamentos que se perpetuam por conveniência ou comodismo. Casais que não dormem mais no mesmo quarto, que se aturam no dia a dia.
    Já ouvi a frase: melhor viúva que separada. Com alguém pode pensar assim? Melhor infeliz juntos do que tentar ser feliz sozinha?

    Adorei o texto e sei bem como são as pressões da mulher depois dos 30.

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura,
      Fiquei passada com o que vc ouviu de que "melhor viúva que separada"!!!!
      Meu Deus, parece que estamos na década de 50!!!!!!!!!!!!!!!
      Vc está certíssima, não vale a pena ficar num relacionamento que acabou por causa das convenções sociais.
      beijos!!!

      Excluir
  8. Nossa, muito bom.
    Acho tão indelicado quando as pessoas perguntam: E quando é que vem o bebê?
    Dá vontade de responder: Nunca, se depender da sua opinião.
    Ou fazer um drama pra deixar o indiscreto com vergonha.
    Você falou certo, não existe marido, nem filho, nem nada que faça feliz quem não é consigo mesmo.
    bjks.
    Mel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que saudade de vc, Mel!!!
      É exatamente isso que penso, não dá pra depositar toda a "esperança de ser feliz" em outra pessoa...
      Há pessoas felizes e infelizes casadas e solteiras, com ou sem filhos.
      beijos!!!

      Excluir
  9. eu já passei dos 30 faz um tempão, haha, não casei e não tenho filhos e é incrivel, principalmente familiares, ficarem perguntando "quando vai casar?" dá vontade de responder grosseiramente que "não é da conta de ninguem"... fico bem aborrecida... mas lendo seu texto percebo que muitas pessoas passam por esses momentos tambem....

    bjokas da Ana
    fionotear.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Ana, isto é muito, muito chato mesmo!
      Essa pressão social é bem ruim...
      beijos!

      Excluir
  10. Querida Shirley,

    Antes de tudo quero dizer que amo o blog, gosto de verdade! Mas hoje quero falar de você, acho que toda bloguera acaba dando mesmo sem querer espaço pra gente entrar na vida dela. Concordo em partes com o post, sinto que você se incomoda muito com o que a sociedade pensa, você bate na tecla que é moderna, mas não é isso que vejo em você, acho que tudo o que você queria era ter feito parte desse time de “mulheres perfeitas”, ter casado cedo, ter tido filhos cedo e por algum motivo não foi isso que aconteceu na sua vida e você ficou eternamente marcada com isso, hoje você é casada, muito bem casada e ainda se preocupa com o molde da sociedade, se você fosse tão moderna assim, tão desencanada, não estaria nem ai pra esse tipo de comentário que suas amigas faziam, tendo em vista que você não acha coisa de outro planeta casar com mais de 30 anos, mas não, você ficava magoada. Concordo com você que ser mãe não torna uma mulher mais especial que outra que não tem filhos, todas nos mulheres somos especiais, só pelo fato de sermos privilegiadas em conseguir gerar um ser dentro de nos, ainda que não tenha feito, já somos especiais. Você fica magoada com os comentários que ouve a respeito do seu casamento, repito, se você fosse tão moderna assim, entraria num ouvido e sairia rapidinho no outro. A frase – “Então, garota moderna que ainda está solteira e/ou não tem filhos, não se deixe intimidar pela tirania das "mulheres perfeitas" – Tirania? Que tirania? Isso é coisa da sua cabeça! Mulheres perfeitas? Só você as vê assim... São mulheres normais, assim como você solteira aos 30 era normal também. Você quer mostrar a todo custo que era feliz solteira, que casou tarde totalmente por opção e passa conselhos a outras sobre isso, mas acho que você já sofreu muito, sociedade, amigos, família, todos perturbando sua mente, até a hora que casou, agora o que te perturba é o fato de ainda não ter filhos, esqueça isso, você terá filhos quando quiser e ninguém tem nada a ver com isso! Imagino que quando aquela blogueira te chamou de útero seco, você deve ter chorado uma semana! Você é tão bonita, tão inteligente, esquece essas coisas e viva a vida como você quer viver! Vou continuar lendo muito seu blog, é excelente!!! Desculpa a franqueza, mais essa é minha opinião é o modo como vejo você quando posta essas dicas sobre, “Como sobreviver se você ainda não conseguiu um namorado, não casou e não tem filhos!” “Não desista, você ainda vai conseguir um marido perfeito na hora certa”. Você disse que cada pessoa tem o seu tempo, mas a imagem que você me passa é de que você está/esteve preocupadíssima em seu tempo chegar logo. Só pra constar, tenho 23 anos, não estou namorando, não sei se vou casar daqui a 2 anos, ou 5, ou 10 e não estou nem um pouco preocupada com isso, não me sinto pressionada por que todas as minhas amigas tem namorado, planos de casar e muitas já são casadas com filhos, minha irmã casou com 21 anos, tem uma família perfeita, que eu admiro muito, mas em nenhum momento fico achando que estou atrasada em nada, e acredito que quando eu tiver uns 30 anos se eu tiver solteira não vou me preocupar também, mas isso só o tempo dirá, mas pela minha personalidade acho que não vou está nem ai! Quero um dia constituir minha família, lógico, ter um bom marido e filhos, mas sou feliz comigo mesma e sempre vou ser se DEUS quiser!
    Bjos, aguardo resposta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alane,

      Oi querida, entendo seu ponto de vista e concordo com ele!
      Mas não quis dizer em momento algum que todas as mulheres casadas e/ou com filhos se encaixam nesta categoria... Tenho várias amigas casadas e com filhos que não posam de "super mulheres", não querem ser perfeitas em tudo. Mas também há uma parcela de mulheres que é extremamente competitiva e parece querer sempre se mostrar melhor do que as outras, seja pelo desempenho no trabalho, sucesso no casamento, beleza, filhos...
      E eu sou como qualquer pessoa, Alane, tenho minhas fraquezas e inseguranças como todo mundo e não acho que sou menos "moderna" por isto.
      Você é super madura pra sua idade, parabéns!
      beijos e obrigada pelo comentário tão bacana e construtivo!

      Excluir
    2. Alane você realmente é bem madura e eu concordo em muitas coisas com você.Uma mulher de 40 anos,que está tentando ser mãe,que já buscou naturalmente e artificialmente(5x)está num grau de fragilidade, que as expressões "útero seco" ,"relógio biológico caducando"e outras,quando pronunciadas são dignas de choro ,muuuuuito choro!!!Você é muito novinha e algumas mulheres não conseguem ter filhos quando querem.Eu concordei com você na maior parte do texto...mas nesse caso é muito triste mesmo e nada a ver com dramalhão!!!obs:essa mulher que eu mencionei NÃO é a Shirley,tá??

      Excluir
  11. É verdade Shirley e Unknown, somos seres humanos, é impossível ser forte o tempo todo, realmente! Mas quanto mais nos importamos com as criticas, mais nos abatemos não é verdade? Mas bem, cada um sabe de si, sabe o que se passa atrás das cortinas do palco!!!

    Obrigada e bjos

    ResponderExcluir
  12. Gostei
    Venda de imóvel http://portaldosimoveissjc.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. amei seu texto!!! Exatamente pelo que estou passando. Vc expôs de forma clara o que passamos nesta sociedade "falsamente" moderna.. obrigada pelas palavras inspiradoras..

    ResponderExcluir
  14. Mulheres são bichos muito competitivos. Eu sempre ouvi durante a minha vida certo tipo de cobrança: primeiro porque eu não tinha namorado, depois de namorando quando vai casar e agora quando virão os filhos... eu sinceramente não ligo e acho que aproveitei e estou aproveitando bem cada fase da minha vida, do jeito que deve ser. Os conselhos citados no post é extramente assustadores, mas infelizmente está enraizado consciente ou inconscientemente na sociedade brasileira, de que a mulher tem que fazer tudo o que pode para agradar o marido senão dá brecha pra ele ir pular cerca. É como se fosse o dever da mulher "manter um bom casamento". Que relacionamento unilateral é este??? Em outras culturas a visão de casamento é muito diferente, mas a competição entre as mulheres... ah esta nunca termina!!
    Conheço várias pessoas que querem vender a imagem de esposas/mulheres/mães/solteiras/profissionais felizes e perfeitas, mas sempre escodem atrás daquela perfeição uma frustração muito grande. Quem é feliz de verdade não precisa sair contando pros quatro ventos. Quando eu vejo um grupo de mulher discutindo quão perfeitas e quão bom a casa/filhos/marido são eu pulo fora rapidinho...

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Shirley tb tinha lido o tal post no blog, e fiquei muito surpresa com o conteudo. Ainda mais que hj moro na Franca, pais extremamente ligado a igualdade entre homens e mulheres. Concordo em genero, numero e grau com seu texto. Ao ler o tal post, pensei que alem de ter mudado de pais, o Brasil tinha mudado de seculo tambem. Bjos (desculpe pela ausencia de acentuacao) Gislene

    ResponderExcluir
  17. Shirley adorei sei texto que está coerente com a nossa realidade; também li o outro texto e concordo vom sua opinião sobre ele.
    Fiquei pensando sobre e acredito que a palestra foi direcionada so público específico: mulheres da classe AAA que mesmo trabalhando tem uma super estrutura tal como babá empregadas e por aí vai.
    Realmente com essa condição econômica dá pra bancar os conselhos...

    ResponderExcluir
  18. Aleluias!!!!!! você falou o que eu tive vontade ao ler o post daquela blogueira, que realmente é uma fofa, mas derrapou feio....... Que loucura ouvirmos isso nos dias de hoje.... E não, não sou feminista, nem jovem, tenho 48 anos, casada, mãe, trabalho fora e faço o jantar com prazer, mas que ninguém me peça perfeição, por amor , faço meu melhor, e é o que temos para hoje.... Parabéns, adorei sua coerência.

    ResponderExcluir
  19. Gostei muito do seu texto, achei muito pertinente...
    Estou do outro lado da moeda, achei o amor da minha vida muito cedo, casamos, tenho duas filhas lindas e saudáveis, uma de 9 anos e uma de 5. Farei 30 anos amanhã.
    Ai vem o outro lado da moeda, me apontando... nossa - já duas filhas grandes, nossa você não fez faculdade... certa vez ouvi de uma amiga, a quem estimava muito, "nossa devia ter feito como vc, achado um marido pra me sustentar e me enchido de filho... não ia estar sofrendo com estágios e provas"... tambem doeu muito...
    Engravidei cedo, de fato sem planejamento... já estávamos de casamento marcado, e assumimos nossa menina orgulhosos... quando ela era muito pequenininha mudamos de cidade, pra facilitar o trabalho do meu marido, assim, larguei o emprego ( que não era bom o suficiente pra me fazer lutar por ele)... quando estava na faculdade, no 5º semestre, nasceu minha segunda filha, não tive como prosseguir... mas então, nas adversidades... descobri algo que realmente gosto de fazer... trabalho em casa, com artesanato (ganho mais que quando trabalhava em empresa) ... estou de olho nas minhas meninas, e disponível para quando precisam de mim... cuido da minha casa (que normalmente vive virada pelas crianças e cachorra)... meu marido viaja muito, mas quando esta em casa, tem suas funções como pai e habitante da casa, somos uma 'equipe'... ai vem a cobrança que não acaba nunca:
    - nossa vc teve duas cesárias desnecessárias, nossa vc não tem uma casa decorada de revista, nossa você não sabe cozinhar 200 pratos diferentes... como vc é dona de casa ???
    E a gente sempre tem uma 'amiga' pra se exibir no alto da sua perfeição - mas ai aprendi tambem a ver a infelicidade dessas que precisam de platéia pra serem felizes...
    Na maioria dessas questões, me doía sim... e muito!!! Agora muito mais madura, aprendi a ficar na minha, vivo bem comigo mesmo. Me preocupo com as coisas da vida, claro que sim... e quem não???
    Mas ninguém por ai viveu minha história... e não viverá minhas alegrias... se nesse caminho ta dando certo - pra mim - é nele que EU vou seguir...
    Evito entrar em assuntos polêmicos, até vejo muitos trelele's pelo 'face' mas corto volta... já não me importo com opiniões alheias... mas confesso... como é dificil educar 'filhas mulheres' ... frizo sempre a tecla : você é unica, e especial do seu jeito - vai desenvolver seu próprio modo de ser feliz... e o resto que se 'dane' (não com essa palavra rs) !!!
    Tudo de bom pra tii!!

    ResponderExcluir
  20. Amo muito quando você escreve este tipo de texto. Continue, por favor!

    ResponderExcluir
  21. Oi Shirley!
    Leio muito seu blog mas nunca comento...
    Sempre leio os seus textos com "reflexões sobre a vida" e às vezes concordo, às vezes não...
    Desta vez, assino embaixo sem ressalvas!
    Adorei a tua abordagem, além de estar muito bem escrito.
    Tenho 32 anos e estou tentando descobrir a felicidade que vive em mim.
    Não é fácil, mas é o único caminho saudável para uma vida plena.
    Discordo completamente dos que disseram que o fato dessas "mulheres perfeitas" te incomodarem é um sinal de que você não é assim tão "moderna".
    Se uma pessoa (ou várias) me perturba cotidianamente com provocações irritantes, é impossível manter-me inerte, tal como se tivesse "sangue de barata".
    Por mais segura que a pessoa seja, é certo que a insistência de certas pessoas inconvenientes resulte, cedo ou tarde, em algum tipo de desconforto.
    Abraços!

    ResponderExcluir

Olá,

O GM não modera os comentários, este é um espaço livre para você expressar sua opinião.
Mesmo que eu não consiga responder os comentários imediatamente, leio todos eles assim que chegam no meu e-mail e ADORO saber a opinião de vocês e respondo assim que possível.
Se alguém tiver uma dúvida ou pergunta mais específica, por favor, mande por e-mail para: shirley@garotasmodernas.com que eu respondo com mais rapidez.
Obrigada pela compreensão e pelo comentário!

beijos!

ATENÇÃO: Comentários grosseiros, desrespeitosos, agressivos, preconceituosos ou com divulgação de vendas serão deletados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...